1.4.11

'Um belo dia resolvi mudar...'

O ser humano é inconstante, mutável, metamórfico.


Da janela do ônibus eu via. Via além dos carros apressados, das senhoras distintas cheias de sacolas nas mãos, das linhas de expressão daqueles com muita história pra contar, das tendências expressas nas vitrines, dos risos adolescentes, dos olhares distantes. Eu via pessoas, indivíduos que na manhã seguinte acordariam diferentes. Se melhores ou piores, não sei dizer, mas com certeza diferentes estariam. Talvez as senhoras não fossem mais tão distintas, as histórias não fossem contadas, as tendências fossem outras, os risos fossem lágrimas... E os olhares? Esses permaneceriam distantes, aconchegados em outro plano. Aquele em que se pode sonhar, refletir, construir, ser. Sem limites, restrições ou pudor, podemos ser o que desejarmos ser.
E nessa brincadeira de metamorfose é que construímos nossa identidade. Se é que existe mesmo uma. Talvez apenas construamos a nossa, para mais tarde a derrubarmos e construirmos tudo outra vez. Aplicamos em nosso dia a dia os nossos pensamentos conturbados, nosso cáos interior. Fazemos de nossas atitudes espelhos da nossa loucura, aquela que fica escondida atrás dos nossos olhos.
Essa é a constância da vida humana, mudar a cada episódio, momento, crise, revelação. Renovar-se, superar-se, evoluir.


P.s.: E o que pensamos por trás dos nossos olhares longínquos?

7 comentários:

  1. é, afinal o ser humano está em constante evolução, para se evoluir é preciso mudar...
    sábio quem disse que, "Todo dia é dia de renovar o nosso destino." - Paiva Netto. -

    p.s.: não me canso de repetir essas palavras :b
    como sempre se expressando muito bem senhorita Natália.

    sucesso, aprendiz de jornalista!
    ~ sempre comigo, sis ;*

    ResponderEliminar
  2. Interessante como assuntos complexos e, de sentidos fundamentais são ignorados por nós mesmos.
    O difícil, para a maioria, é aceitar que o mundo muda e que para permanecer nele precisamos mudar também.
    A passagem do senso comum para a análise crítica, por exemplo, é algo primordial para uma visão sustentável da sociedade, mas a massa, em geral, prefere continuar boçal.
    Ótimo texto... Uma forma totalmente diferente de abordar o assunto. Parabéns, Natália!

    ResponderEliminar
  3. Olá, minha querida! Você, como sempre, "manipula" as palavras com destreza e sensibilidade. O resultado é um texto belo e cheio de significados. Parabéns! Tenho certeza de que será uma profissional de sucesso! Beijo!!! (P.S.: estive na sexta-feira nos estúdios da rádio CBN e falei sobre você para o Ronaldo Nezo)

    ResponderEliminar
  4. Naty...

    Certamente não são muitas pessoas que se dão conta dessa metamorfose constante. Muitos apenas "cumprem horário" na vida e esquecem de evoluir, o que consequentemente, os faz esquecer de viver.

    Ótima abordagem! A facilidade que você tem com as palavras é demais!!! Sou seu fã!!!!!

    Grande beijo!

    ResponderEliminar
  5. Anónimo5.4.11

    delícia seu texto. parabéns!

    ronaldo nezo

    ResponderEliminar
  6. É por isso que faço uso das palavras de Clarice Lispector quando disse: "É curioso como não sei dizer quem sou. Quer dizer, sei-o bem, mas não posso dizer. Porque no momento em que tento falar não só não exprimo o que sinto como o que sinto se transforma lentamente no que eu digo."
    Texto muito bom, "delícia seu texto" como disse o Nezo.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. Anónimo21.4.11

    Intrigante como voce se referiu a pesonalidade, sera que existe mesmo? ou criamos para podermos nos renovar?
    ainda acho que a nossa essencia é a mesma, só que acrescentamos coisas que nao tinhamos conhecimento antes, ou seja, envelhecemos e adquirimos experiencia.

    Fan¹ :D

    ResponderEliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo

Sigo, leio e recomendo!