10.8.11

'Estou aprendendo também...

Ela arriscava uns versos tímidos, sem rima ou rigor. Balançava a cadeira e deixava o vento fazer o resto. Sentia uma leveza, uma magia, um toque dos anjos.
Todas as noites, sentava no peitoril da janela e tentava imaginar quantas estrelas seriam necessárias para te conquistar, quantos daqueles versos atingiriam seu coração.

Ela arriscava uns dois ou três olhares discretos, sem deixar claro o verdadeiro amor. Passava na frente da porta vermelha com um ar desinteressado. Podia sentir o calor de sua incerteza, a intensidade de sua dúvida, a vontade de se apresentar.
Todas as tardes, andava nas ruas e tentava lembrar dos momentos que ainda não tinham sido vividos, dos caminhos que não foram trilhados, das palavras que não foram ditas.

Ela arriscava uns suspiros antes de acordar, sem entender porque eles ainda apareciam. Rabiscava o canto da folha como quem pede atenção. Ouvia a música ao longe, a voz chegando como um sussurro.
Todas as manhãs, falava para si mesma que uma nova oportunidade estava por vir e tentava se convencer da própria força.
Ocorreu um erro neste dispositivo

Sigo, leio e recomendo!