17.5.10

Cadeado


Caminho por aquela rua. Aquela que você tanto gostava. A chuva gélida cai sobre meu corpo, esfriando qualquer lembrança sua, limpando os pedaços de você que restaram em minha alma.
Sofro e ao mesmo tempo me alegro, pois a falta que me faz alimenta minha vontade de viver, traz à tona uma liberdade tão pouco explorada. Sinto que perco e ganho no mesmo compasso.
Esqueço das vezes que brigamos e também das que nos amamos. Ali ou aqui, sempre juntos. Não fico remoendo desejos. Na verdade, não quero mais te desejar.
O som da página virada me transporta a um paraíso interno revigorante. Deixo você ir embora com apenas uma condição: nem que o tempo te coloque em um caminho que cruza o meu, nem que a felicidade te direcione a mim, nem que o amor te faça perceber que sente saudade, não volte mais, pois já aprendi a viver sem você.
Meu coração, a partir de agora, está fechado para quem antes era sua razão de ser.


P.s.: Caros leitores, qualquer semelhança com a realidade é mera coincidência :D
Ocorreu um erro neste dispositivo

Sigo, leio e recomendo!